Notícias

A Congregação das Folhas de São Camilo possui mais de 92 casas espalhadas pelo mundo, sendo 12 localizadas no Brasil, sete hospitais de médio porte, quatro casas de longa permanência para idosos e um colégio, com ensino infantil ao médio, curso para cuidador de idosos e curso técnico de enfermagem.

Estamos presentes na África (Burkina Faso, Benin e Costa do Marfim), na América (Argentina, Brasil, Peru, Colômbia, Chile e México), na Ásia (Índia, Filipinas e Siri Lanka) e na Europa (Itália, Alemanha, Espanha, Polônia, Portugal, Georgia e Hungria).

Quarta-feira, Junho 8, 2016, 18:47 | Sem comentários »
Em suas aparições, Nossa Senhora das Graças confiou-nos mensagens que se mantém muito atuais, especialmente em nosso tempo, marcado pelas grandes desordens sociais e políticas. Por isso, vale a pena conhecer essas mensagens, que foram significativas naquele momento histórico, para o nosso conhecimento e principalmente para a nossa vivência da fé. Pois, nessas mensagens de Nossa Senhora, aprendemos o equilíbrio perfeito de uma espiritualidade radicada e centrada em Jesus Cristo, ao mesmo tempo, profundamente mariana.

As mensagens de Nossa Senhora das Graças para os tempos atuais

A devoção a Nossa Senhora das Graças e à Medalha Milagrosa teve início com as aparições da Virgem Maria à piedosa irmã Catarina Labouré. Foram, ao todo, três aparições, que aconteceram em 1830, no convento das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo, na rue du Bac, em Paris, na França. Na segunda aparição, a Santíssima Virgem mandou que fossem cunhadas medalhas, conforme as visões concedidas a Catarina. Com a aprovação eclesiástica, as medalhas foram confeccionadas e distribuídas, inicialmente na França, e depois pelo mundo todo. A devoção a Nossa Senhora das Graças e a Medalha Milagrosa, como ficou popularmente conhecida entre o Povo de Deus, espalhou-se rapidamente, bem como os milagres e prodígios, conforme prometeu a Virgem Maria àquelas pessoas que usarem devotamente a sua medalha: "Todos os que a usarem, trazendo-a ao pescoço, receberão grandes graças"1.

As mensagens de Nossa Senhora e a abundância de graças em tempos difíceis

Na primeira aparição, que aconteceu na noite de 18 para 19 de julho de 1830, data da festa do Fundador da Congregação, São Vicente de Paulo, Nossa Senhora revelou a Santa Catarina que grandes calamidades e perseguições aconteceriam na França. De fato, uma semana depois explodiu a Revolução de 1830, em Paris. A partir desse fato, "desordens sociais e políticas derrubaram o rei Carlos X e, por toda a parte, verificaram-se manifestações de um anticlericalismo violento e incontrolável: igrejas profanadas, cruzes lançadas por terra, comunidades religiosas invadidas, devastadas e destruídas, sacerdotes perseguidos e maltratados"2. Depois de profetizar esses males, a Virgem Maria disse a Catarina o que elas deveriam fazer: "Venham ao pé deste altar: aí as graças serão derramadas sobre todas as pessoas, grandes e pequenas, particularmente sobre aquelas que as pedirem com confiança e fervor. O perigo será grande, porém não deves temer: Deus e São Vicente protegerão essa Comunidade"3.

Quatro décadas depois, no fim de 1870, a França e a Alemanha se enfrentaram num sangrento conflito, mas os padres Lazaristas e as Filhas da Caridade nada sofreram, conforme prometeu Nossa Senhora: "Eu mesma estarei convosco. Tenho sempre velado por vós e vos concederei muitas graças. Momento virá em que pensarão estar tudo perdido. Tende confiança, Eu não vos abandonarei"4.

De certa forma, o contexto histórico das aparições de Nossa Senhora da Rue du Bac parecem se repetir hoje no Brasil, com as atuais desordens sociais e políticas. Diante desse quadro desolador, a mensagem da Virgem Maria nos ajuda a encontrar socorro: "Venham ao pé deste altar: aí as graças serão derramadas". Esse altar, onde são derramadas abundantes graças, simboliza a Eucaristia e a devoção a Maria, que sustentarão a fé de muitos nesses tempos difíceis. Temos, nessas aparições, a certeza da presença de Nossa Senhora, que prometeu estar sempre conosco, velar por nós e nos conceder muitas graças. Por isso, ainda que tudo possa parecer estar perdido, tenhamos confiança, pois a Virgem Maria não nos abandonará.

A Medalha Milagrosa e a abundância de graças pelas mãos de Nossa Senhora

Na aparição seguinte, que aconteceu no dia 27 de novembro de 1830, Nossa Senhora revela a Santa Catarina Labouré a sua missão. Nessa segunda aparição, a Mãe de Deus apareceu vestida de branco, com indizível beleza, trazendo nas mãos uma esfera de ouro que representava o globo terrestre, o mundo inteiro e cada pessoa em particular, que estão sob os seus cuidados maternos. De repente, Santa Catarina vê nos dedos da Santíssima Virgem anéis revestidos de belíssimas pedras preciosas, das quais saíam raios muito brilhantes. A respeito destes, Nossa Senhora explicou: "Estes [raios] são o símbolo das graças que Eu derramo sobre as pessoas que mas pedem"5. A partir dessa imagem e da explicação da Virgem Maria, a Irmã Labouré compreendeu: quão agradável é rezar a ela; quanto ela é generosa para com seus devotos; quantas graças concede às pessoas que lhe pedem; e que alegria ela sente ao concedê-las a nós. No entanto, havia anéis dos quais não saíam raios. Estes simbolizam as graças que esquecemos de pedir a Santíssima Virgem.

Nesse momento, formou-se um quadro oval em torno de Nossa Senhora, que tinha no alto as seguintes palavras: "Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós"6, escritas em letras de ouro. Foi então que a religiosa ouviu uma voz que dizia: "Fazei cunhar uma medalha conforme esse modelo. Todos os que a usarem, trazendo-a ao pescoço, receberão grandes graças. Essas serão abundantes para aqueles que a usarem com confiança"7. Logo depois, o quadro girou e Catarina viu o outro lado da medalha, que tinha no centro, o monograma da Santíssima Virgem, composto pela letra "M" e uma cruz acima, que tinha uma barra em sua base. Embaixo, estavam o Coração de Jesus, coroado de espinhos, e o de Maria, transpassado por uma espada. Conforme as promessas de Nossa Senhora, abundantes graças derramaram-se sobre as pessoas que usavam com devoção e confiança a medalha, tanto que esta passou a ser chamada pelo povo cristão de "Medalha Milagrosa".

Depois de alguns dias, em dezembro de 1830, Nossa Senhora apareceu pela terceira e última vez a Santa Catarina. A vidente contemplou a Rainha do Universo, novamente vestida de branco, segurando um globo de ouro encimado por uma pequena cruz. Dos seus anéis, ricamente ornados de pedras preciosas, jorravam, com intensidades diferentes, a mesma luz, radiosa como a do sol.

Essa imagem dos anéis luminosos, que se repetiu na terceira aparição, ajuda-nos a compreender que Deus quer derramar abundantes graças sobre nós por meio da devoção a Nossa Senhora. Muitas graças são derramadas sobre aquelas pessoas que as pedem com confiança a Santíssima Virgem. Mas, ao mesmo tempo, os anéis apagados, dos quais não saía luz alguma, simbolizam aquelas pessoas que por escrúpulos, ou por falta de confiança, ou, o que é pior, por falta de amor, deixam de pedir graças a Mãe de Deus.

A Medalha Milagrosa e as devoções ao Sagrado Coração de Jesus e ao Imaculado Coração de Maria

A Santíssima Virgem Maria apareceu, no dia 6 de agosto de 1936, a duas meninas, Maria da Luz e Maria da Conceição, sob o título de Nossa Senhora das Graças. As aparições aconteceram no sítio da Guarda, situado no distrito de Cimbres, na cidade de Pesqueira, no estado de Pernambuco. Nessas aparições, a Mãe de Deus revelou às duas meninas os perigos que estavam por vir ao Brasil, se o povo não fizesse oração, especialmente o Santo Rosário, e penitência. Além destas, a Virgem Maria fez outro pedido que nos ajuda a compreender melhor a devoção a Nossa Senhora das Graças e a Medalha Milagrosa.

Para saber mais a respeito das aparições do sítio da Guarda, o Padre designado pelo Bispo para investigar o caso, perguntou a Nossa Senhora: "Quais as devoções que se devem praticar para afastar esses males?". Por sua vez, a Santíssima Virgem respondeu-lhe: "Ao coração de Jesus e a mim"8. Quase que repetindo as mensagens de Fátima, Nossa Senhora dizia que, "para se evitar o castigo, é preciso rezar o Santo Rosário, fazer penitência, ter devoção ao Sagrado Coração de Jesus e ao Imaculado Coração de Maria"9. Além disso, recordemos que no verso da Medalha Milagrosa aparecem os Sagrados Corações de Jesus e de Maria. Essas duas devoções, intimamente ligadas entre si, tem um poder extraordinário, não somente de nos levar à conversão e à salvação pessoal, mas também de ajudar muitas pessoas em sua mudança de vida.

A devoção ao Sagrado Coração de Jesus já existia desde tempos imemoriais, mas foi somente no século XVII que se tornou mais conhecida, depois que foi ensinada pelo próprio Senhor a Santa Margarida Maria de Alacoque.

Essa devoção consiste em receber a Santa Comunhão, na primeira Sexta-feira do mês, por nove meses seguidos, em estado de graça e sem más intenções, para honrar o Sagrado Coração de Jesus e reparar as ofensas, a ingratidão e o abandono, com que Este é tratado por parte de muitas almas. A cada comunhão, devemos renovar a intenção de cumprir fielmente essa devoção. Com o tempo, esta passou a ser uma prática perene por parte de muitas pessoas na Igreja, o que é do agrado de Jesus e de Maria.
A devoção ao Imaculado Coração de Maria é tão antiga quanto a devoção ao Sagrado Coração de Jesus. Entretanto, também tem sua popularização mais acentuada recentemente, depois de 1917, quando aconteceram as aparições de Nossa Senhora em Fátima. Em 13 de junho do mesmo ano, a Santíssima Virgem disse a pequena Lúcia: "Jesus quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração". Essa devoção tinha como finalidade a salvação das almas e a conquista da paz no mundo, que estava ameaçado pelo Comunismo.

Para praticar essa devoção, durante cinco primeiros sábados, de cinco meses seguidos, devemos confessar, comungar, rezar o Terço e meditar, por 15 minutos, um ou mais mistérios do Rosário, e fazer todas essas práticas com a intenção de reparar as ofensas cometidas contra o Imaculado Coração de Maria.

Em Cimbres, Nossa Senhora pede novamente a devoção ao seu Imaculado Coração, mas, desta vez, para a salvação do Brasil e dos brasileiros frente ao Comunismo. De modo semelhante ao que aconteceu com a devoção ao Sagrado Coração de Jesus, a devoção ao Imaculado Coração de Maria também tornou-se uma prática ininterrupta na vida de muitas pessoas.

A vivência e a propagação da espiritualidade ensinada por Nossa Senhora das Graças

Atualmente, a devoção a Nossa Senhora das Graças e a Medalha Milagrosa está presente no mundo inteiro devido à propagação da devoção realizada pelos Padres Lazaristas, pelas Filhas da Caridade e por toda a Família Vicentina.

A devoção a Nossa Senhora das Graças é profundamente eucarística e, ao mesmo tempo, mariana. Por isso, esta ajuda-nos a viver o equilíbrio fundamental entre a vida sacramental, especialmente na participação da Eucaristia, e a devoção a Santíssima Virgem.

Ainda hoje, a Virgem Maria continua derramando graças abundantes sobre as pessoas que devotamente lhe pedem. Entretanto, lembremos que, na segunda aparição, a Santíssima Virgem fala dos seus anéis dos quais não partem raios, que simbolizam as graças que esquecemos de lhe pedir. Isso significa que Nossa Senhora não derrama mais graças sobre nós, porque não recorremos mais a ela. Por isso, propaguemos essa devoção a Mãe do Senhor, especialmente sob o título de Nossa Senhora das Graças, e peçamos sempre a sua intercessão, para que cada vez mais graças se derramem sobre nós, sobre nosso país, sobre todo o mundo, que está sob a sua proteção.

Por fim, não menos importante, são as devoções ao Sagrado Coração de Jesus e ao Imaculado Coração de Maria. Primeiramente, somos chamados a praticar essas devoções salutares, recomendadas em tantas aparições de Jesus Cristo e da Virgem Maria. Pois, além da sua extraordinária eficácia em nosso processo de conversão e santificação, essas devoções têm grande valor para o desagravo das ofensas aos Sagrados Corações e para a salvação das almas, especialmente dos maiores pecadores. Além da prática, conhecendo a grandeza dessas devoções, não podemos deixar de as propagar, por todos os meios possíveis, ao maior número de pessoas que pudermos alcançar.

Nossa Senhora das Graças, rogai por nós!

Com informações: Canção Nova 






Terça-feira, Junho 7, 2016, 18:20 | Sem comentários »
Confiamos a Nossa Senhora Desatadora dos Nós os nossos problemas

Oração a Nossa Senhora Desatadora de Nós

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo

Santa Maria Mãe de Deus, Virgem cheia de graça, vós sois a nossa desatadora dos nós.
Com as vossas mãos cheias do amor de Deus, vós desatais os obstáculos de nosso caminho,
como nós que se desfazem e se tornam uma fita reta do amor do Pai.

Desatai, Virgem e Mãe, Santa e admirável, todos os nós que criamos por vontade própria,
e todos os nós que impedem o nosso caminho.

Lançai vossos olhos de luz sobre eles, para que todos os nós se desatem e, para que, cheios de gratidão, possamos, por vossas mãos, solucionar aquilo que nos parece impossível.

Amém.


Segunda-feira, Junho 6, 2016, 18:02 | Sem comentários »
O Papa Francisco presidiu na manhã de domingo, 5, à Santa Missa de canonização de Estanislau de Jesus Maria (polonês) e Maria Isabel Hesselblad (sueca). Com a participação de milhares de fiéis na Praça São Pedro, em sua homilia o Pontífice entrelaçou a vida dos dois novos santos com as leituras do dia.
A primeira leitura e o Evangelho deste apresentam, precisamente, dois sinais prodigiosos de ressurreição: o primeiro realizado pelo profeta Elias; o segundo, por Jesus. Nos dois casos, os mortos são filhos ainda muito novos de mulheres viúvas, os quais são devolvidos, vivos, às respectivas mães.
"Elias diz à viúva: 'Dê-me o seu filho.' Esta é uma palavra-chave, pois expressa a atitude de Deus face à nossa morte (em todas as suas formas). Ele não diz: fique com ela, vire-se, mas, dê-me a Mim."
Jesus não é um mago
Já no Evangelho, a ternura de Deus revela-se plenamente em Jesus. Ao ressuscitar o filho da viúva no cortejo fúnebre, Jesus pede para Si mesmo a nossa morte, para nos libertar e nos devolver à vida. "Ele não é um mago. É a ternura de Deus encarnada, Nele atua a imensa compaixão do Pai", disse Francisco.
"Cristo faz o mesmo com os pecadores: um a um, Jesus não cessa de fazer resplandecer a vitória da graça que dá a vida. Ele diz à Mãe-Igreja: 'Dê-me os seus filhos', que somos todos nós. Toma sobre Si os nossos pecados e nos devolve vivos à própria Igreja. E isto acontece de maneira especial durante este Ano Santo da Misericórdia", ressaltou o Pontífice.
Deus vence o sofrimento e a morte
"A Palavra de Deus que ouvimos nos conduz para o acontecimento central da fé: a vitória de Deus sobre o sofrimento e a morte. É uma Palavra que nos chama a permanecer intimamente unidos à paixão de Jesus, para que se manifeste em nós o poder da sua ressurreição."
Esta foi também a experiência de Estanislau de Jesus Maria e de Maria Isabel Hesselblad, que hoje são proclamados Santos: permaneceram intimamente unidos à paixão de Jesus e, neles, manifestou-se o poder da sua ressurreição.
Angelus
Ao final da celebração, antes de rezar com os fiéis a oração mariana do Angelus, o Papa Francisco agradeceu a presença das delegações oficiais da Polônia (guiada pelo Presidente da República), e da Suécia, que vieram ao Vaticano para as canonizações.
O Pontífice pediu a intercessão de Maria para que guie todos os fiéis no caminho da santidade e os ampare na construção, dia após dia, da justiça e da paz.

Com informações: Rádio do Vaticano e Canção Nova

 


Quinta-feira, Junho 2, 2016, 14:35 | Sem comentários »
As Irmãs Filhas de São Camilo herdaram o carisma dado por Deus a São Camilo, o de testemunhar em vida e com obras de misericórdia espirituais e corporais, o amor pelos doentes. Elas se dedicam aos enfermos em qualquer situação, inclusive em fases contagiosas.
Ao realizarem a profissão perpetua, além de fazerem os votos de obediência, pobreza, castidade, fazem o de servir ao enfermo mesmo com risco de morte.
Enfim, as irmãs cuidam dos doentes com o amor de uma mãe para com o seu filho e com a mesma misericórdia que Jesus teve com os doentes quando vivei nesse mundo.





Quarta-feira, Junho 1, 2016, 13:55 | Sem comentários »
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

Entrego-me e consagro ao Sagrado Coração de Nosso Senhor Jesus Cristo minha vida, minhas ações, dores e sofrimentos, para que eu utilize meu corpo somente para honrar, amar e glorificar o Sagrado Coração.

Esse é meu propósito definitivo e único: ser todo de Deus e fazer tudo por amor a Ele; ao mesmo tempo, renunciar, com todo meu coração, qualquer coisa que não lhe compraz; além de tomar-te, Ó Sagrado Coração, para que sejas ele o único objeto de meu amor, o guardião de minha vida, meu seguro de salvação, o remédio para minhas fraquezas e inconstâncias, a solução aos erros de minha vida e meu refúgio seguro à hora da morte.

Seja, ó Coração de Bondade, meu intercessor ante Deus Pai e livra-me de Sua sabia ira. Ó Coração de Amor, ponho toda minha confiança em ti, temo minhas fraquezas e falhas, mas tenho esperança em tua divindade e bondade.

Tira de mim tudo o que está mal e tudo o que não faça Tua santa vontade. Permite a Teu amor puro a que se imprima no mais profundo de meu coração, para que eu não me esqueça nem me separe de ti.

Que eu obtenha de tua amada bondade a graça de Ter meu nome escrito em Teu coração, para depositar em Ti toda minha felicidade e glória, viver e morrer em Tua bondade. Amém.

Santa Margarida Maria Alacoque


Site construído com Kopage
← Obtenha hoje mesmo, o seu